JURÍDICO CRIMINAL

Prisão para os fraudores e recuperação de ativos.

Um fraudador geralmente utiliza documentos de terceiros se passando por estes, lesando não só você mas também Bancos, Concessionárias de Água, Luz e Telefonia, gerando novos documentos a fim de se passar como autêntico e muitas vezes a sua empresa toma a decisão de aprová-lo pois a Conta Corrente do Banco apresentado e a conta de telefone de fato são autênticas, induzindo você ao erro. Sugerimos além de ação criminal para buscar prender o fraudador, uma ação cívil indenizatória buscando a recuperação dos ativos com Bancos e Concessionárias que se deixaram fraudar.

Tolerância zero! Compliance máximo contra fraudes.

Quando um crime ocorre, é preciso que as autoridades competentes sejam notificadas para dar início à investigação contra seu autor ou autores. Para tanto, é preciso fazer a exposição do fato criminoso à polícia ou ao Ministério Público. A essa comunicação dá-se o nome de "notícia-crime".


Sede policial: Atuação in-loco, no município onde ocorreu a fraude.

Sede judicial: Via de regra, a atuação é realizada na Comarca do fato, que nem sempre é o município da fraude.

Queixa-crime

A queixa-crime é a petição inicial para dar origem à ação penal privada, perante o juízo criminal, com o pedido de que o autor ou os autores do crime sejam processados e condenados. Pelo fato de o interesse ser privado, é necessário que o ofendido contrate um advogado ou procure a Defensoria Pública para que o procedimento seja iniciado.


Denúncia

Já a denúncia é a petição inicial da ação penal pública. Por ser de interesse público, a denúncia é promovida necessariamente pelo Ministério Público, sem a necessidade de que o ofendido esteja acompanhado de advogado ou defensor público.


Fato criminoso

Tanto na queixa-crime como na denúncia, é necessário que seja realizada a exposição do fato criminoso -  quais foram suas circunstâncias, qual o tipo de crime e quais serão as provas, como, por exemplo, documentos e testemunhas (se houver). Estando presentes os requisitos, a denúncia ou a queixa-crime são recebidas. Do contrário, podem ser rejeitadas pelo juiz.


Interesse público x privado

Na maior parte das vezes, na esfera criminal, o interesse é público, como na investigação de crimes de homicídio, roubo e lesão corporal no âmbito de violência doméstica.

No entanto, em alguns casos, o interesse é privado, a exemplo dos crimes de injúria, difamação e calúnia.

Quando o interesse for privado, o ofendido precisa ser rápido, pois terá até seis meses, a partir do dia em que o autor do crime foi identificado para apresentar a queixa-crime. Após tal período, o direito de oferecer a queixa-crime deixa de existir diante da decadência.

O ofendido pode ainda perdoar o autor ou autores do crime. Trata-se da manifestação do ofendido de não prosseguir com a ação penal privada. O suposto autor ou autores do crime devem manifestar se aceitam o perdão. O perdão, no entanto, não é possível quando o interesse é público.

Estrutura de custos e honorários

Enquanto o processo estiver sob responsabilidade do escritório, liberar pagamento de honorários.


Notícia de crime c/ acompanhamento

Nossos Advogados Criminalistas irão materializar a Fraude, documentando os fatos e entregar à você tudo o que precisa para disponibilizar à autoridade Policial.

R$ 500

Acompanhamento precessual mensal

Se preferir, deixe tudo sob a nossa responsabilidade, onde buscaremos a prisão dos fraudadores.
Reembolso: deslocamentos, cópias e hospedagem.

R$ 200

Resultados obtidos

Somos movidos pelo sucesso e você só paga pelos resultados obtidos.

R$ 500 /Inquérito
R$ 800 /Denúncia
R$ 1.500 /Sentença condenatória

Cópia do ato judicial ou policial avulso

Reembolso: deslocamentos, cópias e hospedagem.

R$ 50 /caso

Modalidade de pagamento

Quando os pagamentos devem ser realizados no decorrer do trabalho

CLIENTES

Empresas que estão utilizando



Quer entender melhor?

FALE CONOSCO